Vancouver é “a cidade perfeita”. Por quê? Vancouver é uma das maiores cidades do Canadá, e conta com toda a estrutura de uma grande cidade. Apesar disso, a Vancouver é cercada pelo mar, por montanhas e áreas verdes; e é uma das cidades com melhor qualidade de vida do mundo. Bonita, diversa, sofisticada, agradável… Vancouver é um excelente lugar para se visitar e também para morar.

O clima de Vancouver também é bem agradável – especialmente para quem não gosta de conviver com o calor. No inverno, dificilmente chega registrar temperaturas negativas. Já no verão, dá para aproveitar o sol com temperaturas médias na casa dos 20ºC.

 

Informações gerais

Vancouver está numa península. A região considerada como centro da cidade fica no norte da península, próxima ao porto e ao canal que dá acesso a North Vancouver, cidade vizinha que é ligada a Vancouver pela Highway 1 e pela Lions Gate Bridge.

Vancouver é uma cidade com muitos bairros agradáveis para caminhar e conhecer. Acredito que o principal deles é o Gastown, que é o bairro mais antigo da cidade, foi literalmente onde a cidade começou. Hoje Gastown está bem revitalizado, e abriga uma boa variedade de lojas, bares, restaurantes e galerias, o que faz com que seja um dos principais lugares para se conhecer em Vancouver.

Quem gosta de caminhar à noite provavelmente vai gostar também do Downtown. A Granville Street é a rua central de Vancouver e costuma ser bem badalada à noite, com muitas opções de entretenimento. É no Downtown também que se encontram o BC Place – estádio de futebol que recebe diversos shows e eventos – e o Rogers Arena – arena oficial do time de hockey local. Para quem gosta, vale a pena conferir a programação e ver se consegue pegar algum jogo.

Um outro bairro interessante para quem curte cidades é o Granville Island que, apesar do nome, não é em uma ilha, e sim, em uma península. Costuma ser um local bem movimentado, especialmente aos finais de semana. Costuma atrair locais e turistas principalmente pelo Mercado Público, pelos restaurantes variados e pela Grandville Island Brewery, uma cervejaria artesanal.

 

Onde se hospedar em Vancouver

Eu particularmente acredito não ter local ruim para ficar. Vancouver é uma cidade com uma boa rede de transporte público e não tem os problemas de violência como São Francisco, por exemplo. Os bairros mais próximos do centro costumam ser mais procurados por turistas pela conveniência mas também são mais caros.

Nós optamos por pegar um Airbnb no bairro de Fairview, uma região super tranquila de ruas arborizadas. O local foi ótimo também por ser uma área residencial onde era permitido estacionar na rua.

Tranquilo e agradável bairro de Fairview, em VancouverTranquilo e agradável bairro de Fairview, onde ficamos hospedados em Vancouver.

Há quem prefira também se hospedar em North Vancouver, município vizinho ao norte de Vancouver, que fica mais próximo das montanhas e dos parques estaduais.

 

Locomoção em Vancouver

Muitas pessoas nos recomendaram não ficar com carro em Vancouver, mas nós não tivemos problema com isso. É verdade que os estacionamentos cobram caro, e que em regiões centrais como o Downton e o Gastown é bem difícil conseguir parar na rua. Mas em outras regiões costuma ser mais tranquilo. O site da cidade de Vancouver tem bastante informações sobre regras para estacionamento na rua, para acessar clique aqui.

O transporte público em Vancouver funciona muito bem. Você pode planejar o seu roteiro por transporte público pelo site da Translink, empresa que gerencia o transporte público da cidade.

São 3 principais meios de transporte, o ônibus comum, o SkyTrain e o SeaBus. Os preços variam de acordo com o tipo de passe e com as distâncias percorridas. Os passes podem ser comprados em máquinas automáticas nas estações do SkyTrain e SeaBus. Os ônibus comuns aceitam dinheiro, mas precisa ser contado pois eles não dão troco.

 

O que fazer em Vancouver?

Vancouver é uma cidade super agradável, e que oferece diversas opções de atividades tanto na cidade quanto nos arredores. Dá para ficar facilmente 5 dias ou mais e não repetir passeio.

Nós acabamos tendo somente 2 dias inteiros para aproveitar a cidade, e por isso, focamos somente nos locais que nos interessavam mais. Mas hoje vejo que seria melhor ter destinado um tempinho maior para essa cidade incrível.

Nesse post vou falar sobre os lugares que visitamos em Vancouver, mas também sobre outros que deixamos de conhecer por falta de tempo:

 

Stanley Park

Vista do Stanley Park para a Lions Gate Bridge

É o maior parque urbano do Canadá e o terceiro maior da América do Norte. Sua área de 405 hectares é coberta na maior parte por uma floresta natural do local. Ao contrário de muitos parques urbanos do mundo, o Stanley Park não foi uma criação de arquitetos e paisagistas. Muitas das árvores no parque tem centenas de anos.

O Stanley Park não é só grande, mas também super bonito, agradável e tem uma grande diversidade ecológica. Uma caminhada pelo meio do Stanley Park permite ao visitante observar sua rica flora e fauna. Contornar ele, por outro lado, dá acesso a 2 praias no lado oeste do parque e uma vista para a famosa Lions Gate Bridge. O parque é circundado em quase sua totalidade por águas do Vancouver Harbour e da English Bay.

Caminhando pela SeaWall, calçadão contínuo que passa por todo o Stanley Park e continua no centro da cidadeCaminhando na SeaWall, calçadão contínuo que contorna todo o Stanley Park e segue para o centro de Vancouver

A via principal do Stanley Park dá a volta no parque e várias trilhas se cruzam pelo meio. Pode ser explorado de carro, à pé, ou de bicicleta. É também um local apropriado para a prática de diversas atividades esportivas. Próximo à entrada do Stanley Park há espaços como quadras de tênis, basquete, campo de golf, etc. Para acessar o mapa completo do parque, clique aqui.

Mais ou menos no meio do Stanley Park, tem o Beaver Lake – lago com um trilha de cerca de 1km que o circunda. O Beaver Lake é um lago num processo de transformação para pântano, por conta de toda vegetação que cresce nele. A trilha permite aos visitantes observar o lago e suas milhares de vitórias-régias, formando uma linda paisagem. Se você tiver muita sorte, poderá até ver um castor por aí.

Beaver Lake, no Stanley Park, VancouverBeaver Lake

 

Bowen Island

Bowen Island é uma ilha a oeste de West Vancouver. Apesar da curta distância de Vancouver, é um local para passar o dia – ou dias – e sentir que está a 1000 quilômetros da cidade.

Bowen Island tem cerca de 3000 habitantes. Muitas pessoas que moram na ilha vão para o continente durante o dia para trabalhar. Ao mesmo tempo, muitas pessoas que moram no continente resolvem ir para Bowen Island para aproveitar o final de semana.

Bowen Island é um local que oferece diversas opções de atividades como caiaque, SUP, snorkel, mergulho, trilhas, escaladas, ciclismo, entre outras. A ilha também tem um simpático vilarejo onde é gostoso comer e passear.

Nós decidimos conhecer a ilha, mesmo sem ter tanto tempo para explorá-la. Dirigimos até Horseshoe Bay, em West Vancouver, onde estacionamos o carro e pegamos um ferry que custou CAD 12.00 por pessoa (preço ida e volta). O ferrry chega na área chamada Snug Cove, que é onde estão muitos dos restaurantes e lojas da ilha. Almoçamos no Rustique Bistrô e depois fomos explorar a ilha.

Bowen Island tem cerca de 12km de extensão. As opções para trilhas e pedaladas são bem variadas, das mais leves às mais difíceis. Por conta do nosso curto tempo, fizemos somente a trilha para o Killarney Lake, que são cerca de 2h30 para quem quiser dar toda a volta no lago, saindo de Snug Cove.

Killarney Lake, em Bowen Island, a oeste de VancouverAo lado do Killarney Lake, em Bowen Island

A trilha mais pesada de Bowen Island é a do Mount Gardner, que são 10km ao todo, com 719m de elevação. A trilha para o Mount Gardner costuma levar 6hs para ser completada. Para ver o mapa completo da ilha com outras trilhas e atividades, clique aqui.

Além das trilhas, outras opções de atividades em Bowen Island bem recomendadas são conhecer a ilha de bike ou alugar um caiaque na marina para explorar a costa. Para quem preferir, algumas empresas como a Bowen Island Tours trabalham com tours guiados de dia todo e de meio dia que incluem caminhadas, gastronomia, cultura e um pouco de história da ilha.

 

Grouse Mountain

Grouse Mountain é uma montanha localizada em North Vancouver, a 12km do centro de Vancouver. A montanha tem 853m de altura e no seu topo há diversas opções de atividades. Algumas delas incluem tirolesa, teleférico e uma torre eólica em que é permitido subir através de uma cápsula de vidro que permite ao visitante uma vista 360º do topo.

No topo da montanha tem também um santuário, onde moram 2 ursos pardos (“grizzly bears”) que foram resgatados em situação de perigo.

Urso pardo ("grizzly bear") brincando no laguinho no topo da Grouse Mountain, em Vancouver.Urso Pardo (“grizzly bear”), brincando em laguinho no topo da Grouse Mountain.

É possível subir a montanha por um bondinho ou a pé. Por bondinho o visitante paga CAD 56.00 (valores ref. 2018) e tem acesso ao Mountain Admission Ticket, que inclui algumas atividades como o teleférico para o ponto mais alto.

A outra opção é subir pela trilha Grouse Grind e pagar o bondinho somente para descer, pagando CAD 15.00 (valores ref. 2018). A trilha é utilizada somente para subida, não é permitido descer por ela.

Vista de cima da Grousa Mountain, em VancouverVista da cidade de Vancouver do topo da Grouse Mountain, antes de pegar o bondinho para descer

 

Sobre a trilha Grouse Grind

Grouse Grind é uma trilha que demanda bastante esforço físico e é recomendada para pessoas com um bom condicionamento físico. Para ser sincera, não sabia ao certo se iria aguentar. Resolvi tentar  – e consegui.

A trilha tem 2.9kms de extensão e 853 metros de elevação – ou seja, ela é bastante íngreme. A altura equivale a 2 Empire State Buildings ou quase 3 Torres Eiffel.

São 2.830 degraus só de subida, alguns deles bem altos. Eles estimam o tempo médio para chegar ao topo de 1h30 a 2hs – nós fizemos em 2h10. Cada um pode fazer a trilha no seu ritmo, e pela inclinação é até recomendado que você respeite os seus limites. Algumas informações relevantes para quem pretende se aventurar na Grouse Grind:

  • É recomendado que se faça a trilha com um bom tênis e roupas esportivas leves. Apesar disso, deve-se levar proteção para o frio pois no topo a temperatura cai bastante;
  • É importante estar equipado com água e alguma comida para a trilha. No final da trilha tem um café/restaurante mas como a subida é longa e cansativa não vá despreparado;
  • A trilha é bastante fechada com a vegetação da montanha. Isso é bom pois evita-se a exposição ao sol. Mas também esteja preparado para encarar moscas e mosquitos na trilha. É recomendável o uso de repelente;
  • Apesar da proximidade da cidade, a Grouse Mountain é um ambiente natural onde pode haver encontros com vida selvagem, como veados e até mesmo ursos. No entanto, esses encontros costumam ser bem raros principalmente por ser um local com bastante movimentação de pessoas;
  • A trilha tem 3 marcações oficiais: 1/4, 1/2 e 3/4. As marcações são referentes à elevação, não à distância percorrida. O primeiro quarto é o mais longo mas também o menos íngreme.

Apesar do nível de dificuldade da Grouse Grind, é comum a trilha estar bem movimentada. São mais de 150 mil pessoas por ano que fazem essa trilha. Muitas pessoas usam o local para preparo físico. O ideal é tentar evitar os horários de pico, que são nos finais de semana e durante a semana após o expediente de trabalho. Se encontrar com muita gente no percurso, dê passagem para quem estiver mais rápido que você.

Plaquinhas irônicas na trilha Grouse Grind, em Vancouver.As placas sarcásticas no último trecho da trilha aproveitam para tirar sarro do esforço dos visitantes.

Quem faz a Grouse Grind, faz pela experiência, pela aventura, pela atividade física ou até mesmo pelo contato com a natureza. Mas por ser bem fechada não é uma trilha para contemplação. A paisagem é muito bacana uma vez que se chega no topo, onde é possível enxergar o centro de Vancouver e a English Bay.

De qualquer forma, a Grouse Mountain é uma ótima opção de passeio na região de Vancouver. Você pode planejar sua visita conferindo horários de funcionamento e as atividades em operação aqui.

 

Outros lugares para conhecer em Vancouver e arredores

Whistler

Um lugar que gostaríamos muito de ter conhecido na região de Vancouver é Whistler. Whistler é uma cidade a cerca de 2hs ao norte de Vancouver. Infelizmente por conta dos incêndios não pudemos conhecer Whistler já que algumas rodovias haviam sido interditadas.

Whistler é uma cidade que atrai muitos turistas no Canadá em todas as estações. A charmosa vila rodeada por lagos e montanhas permite diversas atividades. No inverno, são muito populares pistas de Ski e Snowboarding. No verão, Whistler se torna um ótimo lugar para atividades aquáticas, ciclismo, trilhas, etc. O site www.whistler.com traz uma boa quantidade de informação para os turistas.

 

Garibaldi Provincial Park

A sudeste de Whistler, mas ainda a 70km de distância Vancouver, está o Garibaldi Provincial Park. Esse parque natural é lar do Monte Garibaldi, que é na verdade, um vulcão com potencial para atividade, e o belíssimo Lago Garibaldi. O Lago Garibaldi, por ser formado por glaciares, tem aquela água de cor azul-turquesa que deixa todo mundo de queixo caído.

O Parque Garibaldi costuma ser uma forte atração turística na região de Vancouver. A trilha mais popular é a de 9km até o Lago Garibaldi com tempo previsto de 3 a 3.5 horas por trecho. Infelizmente não pudemos fazer mas na nossa próxima visita a Vancouver será prioridade.

 

Squamish

Squamish é uma cidade a pouco mais de 1h de Vancouver, que leva o nome do povo indígena que habitava a região. Além da importância histórica por ser lar de uma das primeiras comunidades no Canadá, essa pequena cidade é um paraíso para quem curte atividades ao ar livre e esportes radicais.

Uma das atrações mais populares de Squamish é o bondinho, chamado de ‘Sea to Sky Gondola’. O bondinho sobe literalmente do nível do mar até 800m de altura, no topo da montanha do Stawamus Chief Provincial Park, de onde se tem uma vista bem bonita. O site desse local tem informações úteis sobre o passeio.

Além da gôndola, essa vizinha de Vancouver reserva mais de 10 opções de trilhas, passeios ciclísticos, cachoeiras, entre outros.

 

Outras opções de atividades próximas a Vancouver

Como mencionei anteriormente nosso tempo em Vancouver acabou sendo curto e deixamos de conhecer alguns lugares que pareceram bem bacanas. Nossa anfitriã do AirBnb nos indicou bastante coisa em Vancouver, North Vancouver e arredores. Abaixo estão algumas das principais recomendações que recebemos:

  • Lighthouse Park – próximo a Horseshoe Bay, em West Vancouver, uma boa opção de parada rápida para quem estiver a caminho de Bowen Island, com uma bonita vista do farol. É necessário fazer uma trilha curta.
  • Capilano Suspension Bridge – uma das mais famosas atrações na região de Vancouver, porém na nossa avaliação muito cara e turística. O atrativo do lugar são as pontes suspensas no Capilano River Regional Park, onde o visitante caminha entre os topos das árvores. Os valores regulares de entrada em 2018 estão em CAD 46.95. Ouvimos relatos de que o local costuma ser bem cheio.
  • Lynn Canyon Park – no lado leste de North Vancouver, está o Lynn Canyon Park, com entrada gratuita. Esse parque dá acesso a algumas trilhas cênicas inclusive a Baden Powell Trail, trilha de 48km que atravessa parques ao norte de North Vancouver. No Lynn Canyon Park também tem uma ponte suspensa, porém menor que a Capilano Suspension Bridge. Ainda assim, o parque parece ser bem bonito, e acredito que vale a visita!
  • Deep Cove – é um bairro pacato, no extremo leste de North Vancouver, onde é possível praticar algumas atividades como caiaque e SUP. O interessante desse local é o fato de ser menos turístico. Uma trilha leva os visitantes ao Deep Cove Lookout, um ponto que dá uma bonita vista da cidade de Vancouver. Uma boa opção para quem gosta de pedalar é ir até Deep Cove de bike vindo de Vancouver ou North Vancouver.
  • Kitsilano Beach – também chamada de Kits Beach, é uma praia em Vancouver. Próxima ao Museu de Vancouver, a praia em si não é nada de mais, mas é um local agradável onde muitos locais praticam esportes, caminham com seus cachorros, ou passeiam pela SeaWall – um calçadão ininterrupto que segue até o Stanley Park. A praia de Kirsilano Beach também tem uma piscina de água salgada – a única em Vancouver. A piscina fica aberta na temporada de verão. É cobrada algo em torno de CAD 6.00 para poder usufruir dela.

 

Gostou desse post? Clique aqui para compartilhar:

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia também:

Qual é o seu sonho de viagem?
  • Outros:

GALERIA DE FOTOS